O Terror na Animação - Funciona?

Se antes os clássicos Disney em 2D eram dirigidos para crianças, que acompanhavam com olhinhos atentos e brilhantes as aventuras de princesas, anões ferreiros, leões perdidos e uma infinita gama de personagens, com a chegada da animação computadorizada Toy Story e, principalmente, Shrek, desenhos deixaram de ser exclusividade dos pequenos e começaram a ser apreciados por pessoas das mais variadas idades.



O mundo da animação pode ser um monte de coisas, mas, geralmente, não é um terreno fértil para o terror. Grandes estúdios como Disney, Pixar e DreamWorks salpicaram vários de seus filmes com imagens arrepiantes, porém relutam em sair com o que poderia ser rotulado como pleno terror. Outras empresas, no entanto, responderam a tal apelo, criando obras primas da animação.

O gênero sobrenatural infantil vem agradando desde A Casa Monstro, lançado em 2006 e rotulado pelo USA Today como o "primeiro verdadeiro filme de terror para crianças", onde três amigos tentam livrar sua vizinhança de uma casa possuída que tem a reputação de comer as pessoas que se aproximam.


Produzido por Steven Spielberg e Robert Zemeckis, A Casa Monstro apresenta uma atmosfera surpreendentemente assustadora, agravada pelo uso de efeitos sonoros e visuais assustadores. O diretor Gil Kenan teve como inspiração uma série de imagens de casas assombradas de clássicos, incluindo a obra-prima do terror The Haunting, de 1963, conhecida no Brasil como Sombras do Terror.


E, enquanto poderia ser um pouco assustador demais para crianças muito pequenas, A Casa Monstro, em última análise, permanece como uma introdução perfeita para o mundo do horror cinematográfico para telespectadores mais jovens.

Em seguida, pelas mãos do aclamado realizador de stop-motion Henry Selick vem a adaptação do livro Coraline, do britânico Neil Gaiman. Trata-se de uma novela fantástica de terror, publicado em 2002 pela Bloomsbury, no Reino Unido, e pela Harper Collins nos Estados Unidos. Ganhou os prêmios Hugo Award e Nebula Award de melhor novela de 2003 e o Bram Stoker Award de melhor trabalho de novos escritores de 2002. Foi comparada com Alice no País das Maravilhas de Lewis Carroll devido ao surrealismo e à trama baseada numa realidade alternativa.



Na animação, lançada em 2009, Coraline (dublada por Dakota Fanning), se muda para um novo apartamento. Seus pais, sempre ocupados com o trabalho, dão pouca atenção à filha. Sentindo-se isolada, Coraline sai para explorar, encontrando uma porta trancada. Encontrando a chave, consegue abri-la, chegando a uma passagem que leva a um outro apartamento, duplicando o dela. Esse outro mundo é habitado por sua Outra Mãe e seu Outro Pai, réplicas muito parecidas de seus pais verdadeiros, exceto pela presença de botões no lugar de olhos.


Esses Outros Pais parecem de início mais interessantes, divertidos e atenciosos que os verdadeiros. No final do dia, Coraline tem que voltar para sua casa; no entanto, sua Outra Mãe lhe oferece a chance de ficar para sempre com ela nesse novo mundo. A única condição seria que Coraline costurasse, no lugar de seus olhos, botões, assim como eles. Coraline decide que prefere ir para sua verdadeira casa, o que acaba desapontando sua Outra Mãe., acarretando no desaparecimento de seus pais verdadeiros, sequestrados pela Outra Mãe. Coraline agora precisa voltar ao mundo-espelho e salva-los antes que seja tarde.

Embora não seja tão eficaz quanto os filmes anteriores Selick, como O Estranho Mundo de Jack de 1993, e James e o Pêssego Gigante, de 1996, Coraline certamente possui momentos e imagens que permanecem na cabeça do espectador muito tempo depois do término. No fim das contas, é um filme em que vários personagens possuem botões costurados aos olhos, que é em si um dos elementos mais perturbadores incluídos em filme, supostamente, para crianças.


Inspirado por uma curta indicado ao Oscar, 9 se desenrola em um mundo pós-apocalíptico em que as máquinas derrotaram os seres humanos. Em meio ao caos, um boneco de estopa chamado 9 (dublado por Elijah Wood) banca o herói para evitar a total destruição do planeta. É uma premissa desconfortável, utilizada como efeito perturbador pelo cineasta e diretor Shane Acker, junto ao produtor Tim Burton.


A dupla utiliza de animação computadorizada para criar uma paisagem sombria, com ameaças mortais a cada esquina. Mesmo o personagem principal e seus amigos sendo brinquedos, são tão propensos a lesões - e até a morte - quanto os humanos. O resultado final é um filme que, sem dúvida, ganha sua classificação Proibido Para Menores de 13, graças a "violência e imagens assustadoras".

Por falar em Tim Burton, o exótico e aclamado produtor não é tão estranho no mundo do terror, visto que infundiu praticamente todos seus filmes com pitadas de bizarrice gótica. A Noiva Cadáver, de 2005, certamente não é exceção.


O longa detalha o romance entre Victor Van Dort (dublado por Johnny Depp), um jovem introvertido, e uma mulher falecida, a tal noiva cadáver (dublada por Helena Bonham Carter). Burton, junto ao co-diretor Mike Johnson, cria uma consistente ênfase no sinistro, com elementos absolutamente inquietantes. E, enquanto não tem nada de sustos evidentes, A Noiva Cadáver contém uma consistente atmosfera fantasmagórica que cimenta o seu lugar como um marco da animação.

E agora, com os zumbis em voga, por que não criar um desenho 3D com esses monstros cheios de carisma?

Foi exatamente o que a LAIKA e Focus Features fizeram. ParaNorman é o nome.


Em ParaNorman, "uma pequena cidade é cercada por zumbis. Quem poderá ajudar? Apenas o estranho e incompreendido Norman (dublado por Kodi Smit-McPhee, de Deixe-me Entrar e A Estrada), um garoto que tem a habilidade de conversar com os mortos. Apesar dos zumbis, Norman terá que lidar com bruxas, fantasmas e - o pior de todos - adultos imbecis, tudo para salvar sua cidade de uma maldição secular. Será Norman capaz de cumprir sua missão antes de ser vítima de seu próprio dom?"


O elenco de vozes conta com Jeff Garlin (Toy Story 3), Bernard Hill (Titanic), Leslie Mann (Rio), Christopher Mintz-Plasse (Como Treinar Seu Dragão), Alex Borstein (Family Guy), Jodelle Ferland ( Silent Hill, The Twilight Saga: Eclipse), entre outros.

Abaixo você pode conferir os dois trailers liberados.

Depois de Coraline, Paranorman é a segunda animação em stop-motion feita em 3D pela LAIKA. A estreia está prevista para 17 de Agosto de 2012 nos cinemas dos EUA.



A falta de criatividade no gênero terror atual é evidente; pelo menos no quesito dar medo. As animações, por sua vez, estão vindo com tudo. A cada lançamento somos atordoados com o poder da animação computadorizada, e chegamos a duvidar da veracidade das imagens, de tão reais. Se o futuro da animação "infantil" nos reserva obras tão divertidas quanto as citadas acima, então que o terror live-action se aposente. Ou, pelo menos, se atualize. Os desenhos já o estão fazendo.

E muito bem.

0 mordidas:

Postar um comentário