Literatortura: 5 Livros (Nacionais) Obrigatórios Para Amantes de Zumbis

Artigo publicado por Jackson Paul Matsuura Junior no site Literatortura.

Vampiros, Zumbis, Lobisomens e essa bicharada toda são, praticamente, parte de um grande folclore mundial. E não é característica do folclore que ele mude, na mesma medida em que o povo muda? Por exemplo, aos que reclamam que o personagem Edward Cullen, da Saga Crepúsculo, não morre no Sol: vocês sabiam que os vampiros, originalmente, não morriam ao sair na rua de dia? O primeiro dentuço da história a virar pó quando viu o Sol foi o Conde Orlok, em Nosferatu, filme alemão de 1922, que é uma adaptação do romance Drácula, de Bram Stoker. Na história original, o Conde Drácula morria com uma estaca no peito, mas resolveram mudar o desfecho no filme para não parecer uma cópia tão descarada da obra já bastante famosa na época. Hoje, Nosferatu é visto como uma adaptação do romance de Bram Stoker para o cinema, mas na época era plágio, e a viúva do autor ordenou que queimassem todas as cópias da película alemã. Pois é, o Conde Drácula não morria com a luz solar. Mas também não brilhava, aí já é outra história…
Agora, sobre zumbis, é a mesma coisa. Talvez mudem com o tempo, talvez não, mas estejamos abertos a possibilidade de mudança. Até porque os zumbis que conhecemos hoje já sofreram mudanças do que eles eram quando foram criados.
Senta que lá vem história.
Na década de 30, os soldados americanos tiveram bastante contato com a cultura voodoo, originária do Haiti. Uma das crenças do povo haitiano era a de que existia a possibilidade de ressuscitar mortos para auxiliar os vivos, através de rituais que grandes feiticeiros possuíam o poder de realizar, com a ajuda e aprovação dos deuses. Com base nessas e outras histórias relatadas pelos soldados que voltaram para casa, a indústria cinematográfica norte-americana resolveu aproveitar a oportunidade que tinha ali.
Em 1932, o primeiro filme com Zumbis era produzido: White Zombie, de Victor Halperin, conta a história de um feiticeiro voodoo que tinha mortos-vivos como seus serviçais. Nada a ver com os filmes de zumbi que assistimos hoje.

Agora, o primeiro longa que tratava os zumbis como um perigo global a ponto de causar o fim do mundo foi A Noite dos Mortos-Vivos, de George Romero, de 1968, em que a causa da infestação zumbi era a radioatividade de armas nucleares. Ainda um pouco diferente do que estamos acostumados hoje, cujo a maioria dos filmes tem como causa da infestação um vírus, ou algo do tipo. Esse tipo de explicação só foi aparecer nas histórias de zumbis nas décadas de 80 e 90, e se popularizou com o jogo Resident Evil, em 96.
E hoje, como estão as coisas?
Hoje os zumbis estão de volta com tudo, exceto por algumas mudanças sutis aqui, e outras ali, porém nada muito sério e drástico ainda. Mas podem ir esperando coisas novas pela frente, e a nós cabe apenas aceitar certas mudanças, sendo elas positivas ou não.
Eis aqui uma lista para lhe mostrar cinco livros de zumbis brasileiros.
1 – Zumbis: Quem Disse Que Eles Estão Mortos? , de Ademir Pascale
Este livro é uma coletânea de 20 contos de autores diferentes, todos com a mesma temática: zumbis. Você é levado desde o gore e o trash até o sentimentalismo e o que a luta pela sobrevivência pode causar nas pessoas e em suas relações interpessoais. Vale à pena conferir, e a diversidade dos contos garante que o livro agrade a qualquer um.
2 – Protocolo Bluehand: Zumbis, de Abu Fobiya
Livro descrito como “Guia Definitivo Contra os Mortos… E os Vivos!”, o Protocolo Bluehand: Zumbis é uma obra exclusiva do blog Jovem Nerd, escrito por Abu Fobiya, com o intuito de ficar o mais próximo possível a um Guia ou Protocolo no caso de um incidente como este. O Guia é cheio de dicas e explicações sobre tudo o que você vai precisar não só para se defender dos mortos, mas também dos vivos, que, como você descobrirá ao longo da sua leitura, podem se tornar um empecilho maior do que os próprios comedores de cérebros.
3 – Apocalipse Zumbi – Os Primeiros Anos, de Alexandre Callari
Diferente de outros livros que conhecemos do gênero, este trata mais de um cenário pós-apocalíptico, em que o pouco da humanidade que sobrou depois dos eventos catastróficos de uma infestação zumbi vive numa distopia em busca de uma melhoria dentro de uma comunidade chamada Quartel. Em Apocalipse Zumbi – Os Primeiros Anos, acompanhamos a história de Manes, responsável por grande parte da ordem do Quartel, que um dia sai para resgatar algumas pessoas que saíram dos muros da comunidade e não voltaram. Em sua ausência, surge o antagonista Dujas, gerando uma crise e iniciando o caos dentro do Quartel, deixando tudo isso para ser resolvido por Manes.
4 – Terra Morta – Fuga, de Tiago Toy
Este livro é mais um daqueles em que nós vemos que diante de uma catástrofe como um apocalipse zumbi, os vilões continuam sendo as pessoas. A história de Terra Morta se passa em São Paulo, mas tem início em Jaboticabal, com Tiago, que sempre sonhou em viver numa metrópole até que se vê obrigado a fazê-lo quando zumbis começam a tomar conta do mundo. A partir daí, acompanhamos sua jornada contra zumbis e, por vezes, humanos, e seus questionamentos e dificuldades de conviver e confiar em qualquer um que apareça.
5 – Morgan: O Único, de Douglas Eralldo
Agora, para quebrar paradigmas e te fazer ter uma visão completamente diferente do que você está acostumado quando se trata de zumbis, “Morgan: O Único” traz como protagonista o primeiro zumbi do mundo. Após sua morte, Morgan ressuscita como um morto-vivo e tem uma situação totalmente inusitada a sua frente: uma nova vida, como um zumbi. Como a sociedade veria um zumbi, nem morto, nem vivo, andando pelas ruas por aí, se já há tanto preconceito entre quem é vivo? É isso que você vai ficar sabendo na intrigante obra de Douglas Eralldo.
LIVRO BÔNUS:
Essa sugestão foge um pouco do tema, mas ainda sim é muito interessante.
Incidente em Antares, de Érico Veríssimo
Livro escrito em 71, conta a história de uma greve geral na cidade de Antares. O fornecimento de luz é interrompido, os telefones não funcionam mais, e os coveiros encostam suas pás. O que acontece? Os defuntos, que não foram sepultados, decidem atazanar a vida dos vivos e ir atrás de familiares prestar contas, espalhando sua podridão pela cidade. O livro teve uma adaptação para a TV, uma minissérie da Globo em 94.

Revisado por: Pedro Dalboni.

Sobre o autor

 16 anos, rpgzista, Whovian e Beatlemaníaco. Tenta não se descrever para não se limitar. Tenta. Entusiasta e super fã de Tarantino, Kerouac, Palahniuk, Woody Allen, Kubrick, do Homem-Aranha e do Brad Pitt. Nunca consegue causar uma boa primeira impressão, e adora falar dele mesmo na terceira pessoa.

1 mordidas:

Tatro Cine Santana 2010 disse...

Faltou "O VALE DOS MORTOS", adorei ler... fica a dica... abraços...

24 de setembro de 2013 04:28

Postar um comentário