Terra Morta – Relatos de Sobrevivência a um apocalipse zumbi: Escrevendo “A Última Sessão do Cine Galaxy”, de Fabi Deschamps

Logo será lançada a coletânea Terra Morta – Relatos de Sobrevivência a um apocalipse zumbi pela Ed. Draco, e os autores que fazem parte desse time foram convidados a compartilhar o processo de criação dos contos. Continuamos com a série de textos que servirão como uma deliciosa entrada para o prato principal.


Como surgiu "A Última Sessão do Cine Galaxy"?


"– Fábio, me solt... – ela havia começado a pedir, mas, ao vislumbrar o rosto do namorado sob a penumbra da luz tímida provinda da tela, Lorena entendeu. Não havia parado para pensar em teorias antes; não havia, sequer, tido tempo para pensar, mas, agora, tudo fazia um sentido tão óbvio, que ela não apenas entendeu. Lorena, simplesmente, soube. Por algum motivo, aquele que agarrava sua perna a ponto de quase quebrar-lhe o tornozelo agora, não era o seu namorado. Alguma coisa estava naquele corpo, e não era Fábio. Assim como aquela garota não deveria ser a mesma que era quando o filme do assassino mascarado começou, e como o garoto de boné também havia se tornado outra pessoa ou... outro “ser”. Ela soube disso através dos olhos de Fábio. Estavam vidrados, ejetados, nitidamente fora de foco, mas, em meio a tão deplorável estado, havia naquele olhar impreciso um ódio iminente. Um estado de fúria tão fervoroso e certeiro, que Lorena sentiu a espinha gelar. No pescoço e nos braços de Fábio saltavam fileiras de veias densas e pulsantes, mas Lorena, no milésimo de segundo em que olhou para o namorado, conseguiu fitar apenas aqueles olhos inumanos, antes de dar-lhe um vigoroso chute no braço que a agarrava – deixando o osso quebrado num ângulo que deveria ter sido dolorosamente anormal – e correr para o fundo do cinema, misturando-se, sem outra opção sobre o que fazer, à massa aterrorizada."



O que poderia ser realmente terrível se inserido numa situação já terrível por natureza – uma epidemia de infectados raivosos? E, além disso, o que mais poderia dar tremendamente errado dentro da segunda situação errada? Foi tentando responder a essas perguntas que surgiu em minha mente A Última Sessão do Cine Galaxy e toda a atmosfera absolutamente claustrofóbica que dela faria parte. Mas não era só contemplando esses questionamentos que eu me daria por satisfeita na escrita do conto que faria parte da antologia Terra Morta – Relatos de Sobrevivência a um Apocalipse Zumbi. Saudosista ao extremo com os filmes que marcaram minha vida de cinéfila, eu precisava fazer uma homenagem a algum deles.

Fã de filmes de terror desde os sete anos de idade, mas vindo a conhecer as preciosidades italianas somente após os vinte, com o advento da internet, vejo Demons, de Lamberto Bava, como um dos melhores filmes de terror de todos os tempos. Inquestionavelmente, é um de meus filmes favoritos.

Ir ao cinema com a promessa da diversão de assistir a um filme de terror, com a segurança de que o perigo encontra-se somente refletido na tela, podendo-se tatear a poltrona e mastigar tranquilamente a pipoca, tendo a certeza de que se é um mero espectador da ameaça que se concretiza apenas na película projetada, é o que todos buscam ao comprar as entradas. Mas a coisa toda sofre uma irônica reviravolta quando, de repente, o próprio telespectador se torna um personagem vulnerável ante um terror real que se instala na outrora tão inofensiva sala de cinema. Enquanto que o instinto de sobrevivência grita para que corram para se salvar, lá estão as paredes de concreto imponentes, as portas trancadas que parecem rir sarcasticamente para eles e uma saída de emergência inexistente para lhes avisar que não, não há lugar para onde correr.

Mas ainda faltava a terceira situação catastrófica dentro das demais, mas, esta, somente quer ler saberá!

Pois bem, definidos os fatores iniciais na concepção da história, bastava trazer os nada simpáticos infectados de Terra Morta para dentro da sala de cinema onde se encontrava a protagonista Lorena e mais dezenas de outros personagens confinados... E pronto! Em vez do Metropol, do Bava, temos o Cine Galaxy.

De qualquer forma, sinto-me lisonjeada por estar contribuindo com esta ilustre antologia que precede um livro tão esperado pelos fãs do Tiago Toy, e espero que os contos selecionados consigam saciar ao menos uma porcentagem da ansiedade dos leitores em se depararem com os infectados de Terra Morta mais uma vez.



Conheça a autora Fabi Deschamps nos links:



Você pode ver os textos anteriores abaixo:

Terra Morta – Relatos de Sobrevivência a um apocalipse zumbi: Escrevendo “Encaixotando Natália”, de Gabriel Réquiem

0 mordidas:

Postar um comentário