Lendas de Jaboticabal - As Sete Catacumbas

Em janeiro desse ano, quando estive em Jaboticabal para promover Terra Morta (e visitar minha família, óbvio), fui questionado em pelo menos três entrevistas quanto a escolha da cidade para cenário de uma epidemia zumbi. Um dos entrevistadores, Zé Mario, grande figura, perguntou se eu quis dizer que os habitantes de lá são literalmente zumbis. Que fique claro: não foi minha intenção.

Escolhi Jaboticabal por ser minha cidade, onde eu morei a vida toda e ainda morava quando comecei o blog. Se eu fosse de Araraquara, TM se passaria em Araraquara. Se fosse de Manaus, seria em Manaus. Se eu fosse marciano, seria em Marte. Não houve nenhuma razão especial. Eu conhecia Jaboticabal de cabo e rabo; então por que escreveria uma estória passada em alguma cidadezinha no interior da Europa ou outro lugar? Tantos já fazem isso.

Apesar de eu sempre ter o sonho de deixar o interior e vir para a capital, não me envergonho de minhas raízes. Tenho ótimas lembranças de lá, de amigos que levarei pra vida toda, momentos que não voltam mais. Esse post, porém, não se trata de relatos de infância.

Toda cidade tem, pelo menos, uma estória, boato, causo ou lenda, principalmente no interior. Jaboticabal não é diferente. Em Terra Morta ela é arrasada por uma invasão de infectados comedores de carne humana. Na vida real não chega a tanto, mas nem assim deixa de ser tão... peculiar.


LENDAS DE JABOTICABAL

AS SETE CATACUMBAS


Em uma área afastada, no meio do mato (e bem próxima de onde eu morava e meus pais ainda moram), há um cemitério conhecido pelos fenômenos estranhos e aparições sobrenaturais. Conhecido por Sete Catacumbas, o local já foi sensação na internet quando uma TV espanhola gravou um documentário contando sua história.

O nome Sete Catacumbas se refere a estarem ali enterrados, entre os muitos corpos, sete espanhóis que nunca mais voltaram para a sua terra natal.

Um pouco da triste história do Cemitério do Senhor Bom Jesus do Lazareto, localizado ao lado da capela que leva o mesmo nome, no bairro Barreiro:

Uma epidemia de febre amarela aconteceu por volta de 1896, e devido ao medo da propagação da doença, muitas pessoas foram enterradas vivas ou tiveram seus corpos queimados. Por esse motivo, muitos dizem que o local é impregnado por um forte odor de carne queimada, além de incessantes gritos que podem ser ouvidos.

Uma colega me contou uma vez que seu primo passava por ali de bicicleta durante a noite e que sentiu como se alguém sentasse na garupa. A bicicleta voltou ao seu "peso normal" quando ele se distanciou, sem olhar pra trás.

Após o cemitério, o caminho desce por uma ladeira íngreme de terra, sobe novamente e, depois da curva, é possível ver o bairro mais próximo consideráveis metros adiante. A região é cercada por uma vegetação densa, potencializando a sensação de solidão e vulnerabilidade.

Esse primo contou para um amigo o que aconteceu, atiçando sua curiosidade. Sozinho, esse outro rapaz foi de moto ao lugar, a noite, para chamar pelas assombrações. Ele diz apenas que ouviu passos e, enquanto procurava a origem do som, sentiu um tapa no rosto tão forte que a única coisa que conseguiu fazer fugir.

Eu evitava passar por lá, mas tive que passar por ser o caminho mais rápido pra casa, diversas vezes a noite. Sempre sentia ser observado, mas graças a Deus nunca vi nada além, tanto porque evitava olhar na direção dos túmulos.

Quem quiser conhecer mais sobre As Sete Catacumbas, pode ler o texto escrito pelo Zé Mario aqui.

E quem quiser conferir o documentário, pode acessar os videos abaixo:

Parte 1
Parte 2

Quem tem coragem de visitar o cemitério a noite?

5 mordidas:

Taina disse...

Nossa :O

6 de julho de 2012 17:56
james silva disse...

cara eu soiu de jaboticabal e sim ja fui la e devo afirmar o forte cheiro de carne queimada e gritos os boatos sao verdadeiros experiencia propria

17 de março de 2013 00:37
Francisco Tarina disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Francisco Tarina disse...

Eu estive nesse local, pela primeira vez, quando tinha 11 anos. Após 40 anos eu retornei, pois gosto muito de temas sobrenaturais. As tumbas sofreram desgastes naturais e vandalismos. Realmente, ele é cercado por lendas...

21 de setembro de 2015 15:53
Anônimo disse...

Eu fui lá não vi nada de mais

10 de setembro de 2016 20:09

Postar um comentário